As histórias que as músicas contam | Sem Tilt

As histórias que as músicas contam


okami_wp8_2560

Atenção: essa postagem contém spoilers de Undertale.

De que maneiras você já viu um game contar uma história? A maioria utiliza cutscenes, alguns incluem uma narração, outros também usam textos. Um outro grupo, mais raro, utiliza-se de detalhes e elementos do ambiente, isto é, do próprio mundo ao redor dos personagens, para contextualizar as suas ações.Quantos jogos você já viu contarem sua história com música? Talvez mais do que você pensa.

Uma música pode ter muito mais a agregar a uma situação ou a um personagem do que meramente preencher o silêncio. Existem inúmeros casos em que temas específicos de personagens tornam-se tão icônicos quanto a própria aparência dos mesmos.

Creio que, para todos que ouvem essa marcha, venha imediatamente a figura ameaçadora de Darth Vader à mente. Esse tema é congruente tanto com a imagem tenebrosa e robótica de Vader, quanto com o seu comportamento frio e impiedoso. E creio que por isso seja tão memorável: essa música é a expressão sonora da personalidade intimidadora do vilão de Star Wars.

Esse tema musical associado a Vader pode ser considerado um leitmotiv. Um leitmotiv (ou leitmotif) é uma frase musical associada a um personagem em uma peça de teatro ou filme que, em geral, se repete para todas aparições de tal personagem na obra. Essa técnica, atribuída ao compositor Richard Wagner, teve sua estreia na peça Der Ring des Nibelungen (O anel do Nibelungo) em 1876 e se mantém popular até os dias de hoje.

Claro que os games também apresentam esse recurso musical. Talvez o uso dos leitmotiv não seja tão célebre ou perceptível em jogos, mas sua presença é inegável e enriquecedora para a experiência até mesmo de jogadores que não prestam atenção nas nuances musicais dos games.

Os leitmotiv em jogos não são novidade.Eles já são utilizados desde a época do primeiro Metroid (Nintendo, 1986). O icônico e mais prevalente vilão da série, Ridley, tem um tema que mantém a mesma melodia há quase 30 anos. Essa reincidência do uso do leitmotiv de Ridley gera uma congruência para as aparições do vilão, que geralmente culminam em batalhas muito intensas que, com certeza, ficam marcadas na memória do jogador. Essa repetição do leitmotiv através do tempo e de inúmeras gerações de consoles pode parecer inicialmente um reflexo de falta de criatividade ou inovação por parte dos desenvolvedores. Contudo, mesmo que isso não seja necessariamente mentira, existem duas razões muito estratégicas para se manter determinados padrões musicais em um game.

Primeiramente, nostalgia. Gamers que, quando crianças ou adolescentes, enfrentaram por inúmeras vezes o implacável chefão de Metroid, têm uma resposta sensorial imediata ao ouvir a mesma trilha sonora como adulto. A onda de adrenalina associada a determinadas músicas é algo que nós e, especialmente nossos corpos, têm dificuldade para esquecer. Esse efeito nostálgico está bem explicado nesse artigo.

E por último, mas não menos importante, essa repetição pode ser entendida como uma congruência temática. Ridley é sempre um inimigo formidável, uma representação do mal no mundo de Metroid. Essa representação do vilão não muda ao longo de toda sua carreira nos games, logo, faz sentido que a melodia que simboliza sua presença se mantenha igual.

Mas, e personagens que apresentam mudanças quanto às suas características ou personalidade ao longo de um jogo? De que maneiras um leitmotiv pode se adaptar a eles?

Você se lembra quando você jogou Pokémon Red/Blue (GameFreak, 1995) pela primeira vez e ouviu essa música?

Esse é o tema do seu rival: Blue. Ou Green, ou Gary, ou seja lá que nome você deu para ele. Esse leitmotiv reflete o caráter da rivalidade entre o protagonista e Blue. O tom animado e jovial indica um embate no qual ambos querem testar seus próprios limites. Não há inimizade ou urgência aqui, o vencedor apenas mostrará que, por hora, é um melhor treinador Pokémon.

Contudo, veja a música utilizada quando se encontra Blue para a última batalha.

A diferença é gritante. Blue não é mais o seu rival. Ele derrotou a Elite 4 e se tornou o campeão da liga Pokémon antes do protagonista. Seu leitmotiv original, mais despojado, foi substituído por um que se aproxima do tema da Elite 4, porém ainda mais agressivo. O senso de urgência aqui é intensificado ainda mais por essa ser uma batalha surpresa, após o jogador ter enfrentado quatro inimigos sem a chance de restaurar a saúde de seus Pokémon.

A luta não é justa e Blue não vai desistir fácil de seu posto como campeão. Mas ele não precisa dizer nada disso, a mudança de seu leitmotiv já deixa isso claro.

Um outro exemplo de leitmotiv que se altera com o tempo é o de Susano do clássico do PlayStation 2, Okami (Clover Studios, 2006). Inicialmente, o tema de Susano apresenta indícios de bravura e determinação, apesar de sua personalidade preguiçosa e inconsequente.

Contudo, quando o personagem supera seus medos e se realiza como um verdadeiro herói, seu leitmotiv se apresenta por completo. Agora um conjunto de flautas dita a melodia onde antes havia apenas uma. A presença dos pratos agora é mais intensa, dando intensidade à música. Trompetes e baixos agora também acompanham a melodia, de modo a simbolizar a completude da jornada de Susano como herói.

Leitmotivs podem ser utilizados também para aproximar personagens. Temas comuns entre personagens podem indicar similaridades quanto às suas personalidades ou propósitos. O leitmotiv ”Heartache” em Undertale (Toby Fox, 2015) que guia a batalha contra Toriel e contra Asgore é o mesmo. O nome do leitmotivHeartache” que pode ser traduzido como “dor no coração” parece indicar o caráter de hesitação ao lutar dos dois.

A trilha não precisa ser um acessório. Utilizando-se de escolhas conscientes e significantes para a composição de temas e leitmotivs, é possível criar uma narrativa ainda mais rica e comunicar para os jogadores algo que não precisa ou pode ser dito por meio de palavras.

Compartilhe!

Daniel Baptista

Apenas um rapaz que acha que videogames podem mudar a maneira que alguém vê o mundo. Gosta de jogos questionadores anseia pelo próximo jogo que vai revolucionar o meio. Acredita piamente de que esse jogo será um indie!