6 maneiras de arruinar a vida de civis nos games

6 maneiras de arruinar a vida de civis nos games


zelda-breaking-pots-fb

Algumas pessoas só querem ver o mundo queimar. Isso é verdade e todos nós conhecemos pelo menos uma delas. Mas vamos admitir que, nos games, às vezes, nós incorporamos essa persona e simplesmente acabamos com a vida dos outros.

Existem muitas maneiras de se fazer isso, algumas mais drásticas, outras mais perversas, mas todas igualmente divertidas. E elas se tornam ainda mais prazerosas quando a pessoa não tem simplesmente NADA a ver com o que está acontecendo. Poderíamos chama-los apenas de NPC’s, mas nesse caso eles são mais que isso. Eles são vítimas, civis inconscientes do perigo que lhes rodeia.

Aproveite e ponha em prática (apenas no mundo virtual, ok, garotos e garotas?) essas 6 maneiras de arruinar a vida alheia nos vídeo games:

GTA

Vamos começar essa lista com o óbvio: GTA. Qualquer um. Fazendo praticamente qualquer coisa. Você acaba com a vida de alguém sem querer nos clássicos da Rockstar, e eu não estou falando das missões.

“Ah, eu vou só roubar um avião, mas não vou atrapalhar ninguém.” E o responsável pelo setor? O que vai acontecer com ele? Provavelmente vai ser despedido e vai ter que fazer bicos em fast-foods de madrugada pra sustentar a esposa e os três filhos.

Ok, talvez não tanto, mas qualquer coisa nesses jogos estraga o dia de alguém. Perdeu o carro? Roube outro! BOOM, lá se vai o dia do dono. Contratou uma prostituta? Mate ela e roube o dinheiro de volta. BOOM, acabou com o dia e a vida da coitada. Precisa de algo mais potente? Invada uma base militar, roube um tanque de guerra, mate todos no recinto, fuja, atropele e atire em mais umas centenas de pessoas, evite a polícia o máximo que conseguir até que eles lhe matem com uma granada que você não viu sendo arremessada.

BOOM, carma.

"Só mais um dia normal aqui na minha cidade..."

 

 

The Sims

Ok, esse é um dos meus favoritos. Os inocentes membros da família Queiroz (vamos chamá-los de Queiroz, tá bom?) querem apenas uma casa bacana, simples, com móveis e um pouco de entretenimento e conforto para poderem viver bem juntos, apenas os três, marido, mãe e filho.

"Juro que não era isso que estava na planta que eu vi..."

“Juro que não era isso que estava na planta que eu vi…”

Mas não. Que tal fazermos exatamente o oposto? Claro! Primeiro damos ao Sr. Queiroz um emprego horrível, trabalhando com arquivologia ou como cartomante, daqueles que trazem seu amor em 6 horas. Para o restante da família, caixotes de madeira para sentarem, sem mesa, de preferência. O Sr. Queiroz, ao chegar do trabalho, quer apenas jantar e descansar. Mas espere um pouco: sua casa não tem nem paredes! E ele mal sabe que durante o dia, sua mulher não pode usar o banheiro porque ele não existe e fez xixi nas calças enquanto seu filho, Queirozinho, brincou o dia todo com sua plantação de batatas no quintal.

Se nada disso saciar sua sede por sangue virtual, simplesmente coloque toda a família Queiroz na piscina, tire a escada, e veja qual é o último trouxa a sobreviver.

 

Burnout Revenge

Você está simplesmente indo para o trabalho, tranquilo e sereno, quando de repente… Um carro voador cai na sua frente e se atira para todos os lados explodindo tudo que encontra em sua volta. Sem dúvida, uma ótima manhã.

Não posso deixar de admitir: é extremamente divertido causar explosões tão grandes e destruir tantos carros de uma só vez. Além do mais, é uma ótima maneira de estragar o dia do rapaz com seu Sedan novinho em folha indo pra faculdade. Ou então você pode imaginar que está se atirando a 200 km/h no carro daquela garota que te deu um fora na balada do fim de semana. “Minha cantada continua ruim agora, hein?”

E o pior é imaginar que, mesmo assim, você causaria um engarrafamento menor que os de São Paulo numa sexta às 18h00.

"Fica tranquilo, amigão! Acho que meu seguro cobre isso aqui."

Rollercoaster Tycoon 

Tudo bem, nesse caso os inocentes civis que estão no seu parque da morte aparentemente não têm muitas opções, pois eles nem questionam suas duvidosas habilidades de engenharia. Portanto, devemos constatar que são muito burros e merecem o seu trágico destino, afinal, quem em sã consciência entraria numa montanha-russa que sobe 800 metros reta e depois desce num espiral que culmina em outra montanha-russa vindo na direção contrária? Bom, eu não.

De qualquer jeito, consigo pensar em poucas coisas mais sadicamente divertidas de se fazer do que imaginar novas maneiras de matar os frequentadores do seu parque de diversões. Batida? Muito mainstream. Cair na água? Nah. Uma corrida de kart que acaba num buraco de quilômetros de profundidade? Agora as coisas começam a ficar interessantes… Quem sabe brincar de boliche com uma montanha-russa que segue numa reta até a minúscula entrada do parque?

Essas e outras ótimas ideias podem ser encontradas no vídeo desse amiguinho abaixo.

Zelda

Ah, um clássico! Não há muito o que se falar desse, mas ele é essencial nessa lista.

Você está em casa, tranquilo na sua ilha, condado ou vilarejo, rodeado por pessoas de confiança, que nunca lhe fizeram mal, sempre foram educadas e respeitam o espaço alheio. Um belo dia, o filho da vizinha, ou o garoto órfão, ou simplesmente o moleque estranho que só usa verde entra na sua casa, pega os vasos que você guarda por algum motivo e os quebra. Sem mais nem menos.

Você então compra novos vasos, os coloca no mesmo lugar que os anteriores e ele aparece de novo, mas dessa vez com uma espada. E ele quebra tudo, mais uma vez.

Eu ficaria muito feliz de saber que ele morreu atacado por galinhas. Mas aí vai de cada um.

"Let the pots hit the floor, let the pots hit the floor..."

Katamari Damacy 

Esse jogo fecha essa lista por dois motivos: como ele estraga a vida das pessoas e a razão pela qual ele faz isso.

Se você nunca jogou Katamari, ele basicamente é um jogo em que você rola objetos do cenário para formar uma grande bola de coisas. Sério, é isso. Faça bolas maiores e você conseguirá pegar coisas maiores, ganhando mais pontos. O jogo começa com insetos e outras pequenas coisas sendo roladas e termina com, literalmente, arranha-céus. Dentre esses objetos estão diversos animais como vacas, sapos e cachorros, telefones, bolos, carros, postes, pedras, guarda-chuvas, estátuas e o que mais você imaginar. E é claro, pessoas.

Ou seja, não basta você estar tranquilo andando na cidade quando uma bola gigante de coisas aleatórias pega tudo em sua volta e rola junto. Ela te rola também.

Agora o mais legal: o motivo das bolas serem feitas. Você joga como o Príncipe de Todos os Cosmos, filho, obviamente, do Rei de Todos os Cosmos. Um dia, o Rei ficou completamente bêbado e acabou destruindo todas as estrelas do céu. Sua missão é, então, coletar objetos aleatórios da Terra para formar novas estrelas. Sim, exatamente isso que você leu.

Ou seja, não basta você estar fazer parte de uma bola gigantes de coisas aleatórias e ser rolado pra todos os lados. Você, junto com um monte de tranqueira, forma uma estrela porque o Rei de Todos os Cosmos ficou bêbado.

Beba com moderação.

Veja também: Os melhores jogos da Ludum Dare 31

 

Compartilhe!

Sem comentários

Comente!