5 jogos para jogar na véspera de natal | Sem Tilt

5 jogos para jogar na véspera de natal


Christmas

É aquela época do ano de novo, onde um gordo barbudo e encapuzado desce pela nossa lareira e nós deixamos biscoitos para ele. É aniversário do rapaz que morreu por nós, então comemos peru em sua homenagem. Sim, é natal!

E o que mais combina com natal do que games? Provavelmente algumas coisas, mas com certeza nada nos agrada mais de ver debaixo da árvore do que um novo console ou até mais um jogo esperado há meses.

Se esse não é muito o seu caso, veja nessa lista alguns games antigos e outros nem tanto, mas que de uma maneira ou outra, traduzem o espírito natalino, de confraternização, amizade e “sou-player-1-porque-a-ceia-é-na-minha-casa”.

Mario Kart 64

Que melhor maneira de começar uma lista natalina do que com um dos jogos preferidos de todos aqueles que ganharam um Nintendo 64 de natal? Além do mais, ele tem uma fase de gelo e outra de neve, com belos e irritantes bonecos de neve!

Mario Kart é só alegria. Escolhi o 64 porque foi o primeiro que joguei (sim, antes do de SNES) e me marcou muito, mas sinta-se à vontade para escolher qualquer outro que lhe satisfaça. Mario Kart é divertido, leve, sem nenhuma pretensão e o melhor: pode ser jogado com diversos amigos. Poucas coisas me alegraram mais do que reunir uma turma e revezar turnos nas corridas.

Então tire o pó do seu Nintendo 64, ou simplesmente baixe um emulador, e divirta-se relembrando a infância com esse clássico.

A Equipe do Sem Tilt não se responsabiliza por amizades terminadas devido à quedas na Rainbow Road.

Okami

Sim, Okami em mais uma lista do Sem Tilt! (depois veja 5 jogos pra relaxar, aliás). Para fugir um pouco da cultura ocidental de presentes e comida (nada contra, muito pelo contrário!), nada melhor do que uma alta dose de mitologia japonesa.

Okami é um jogo lindo, muito bem construído e que traz uma paz ao jogador rara de ser encontrada em games e, de quebra, ainda é conta com uma espetacular fase de neve! Imagine a cena: é véspera de natal, a família está reunida na sala com alguns amigos enquanto você espera a ceia ficar pronta. A porta fechada, e você sentado na cama, com o rosto colado na tela enquanto Amaterasu corre pelos campos de Okami, desenhando bombas e cortando inimigos ao meio. Prestes a pegar mais uma habilidade, sua mãe lhe chama, dizendo que o jantar está pronto. Hora de comer e trocar presentes. Tudo muito rápido porque Okami não pode esperar tanto assim. Isso é um bom natal.

Se nada disso te convenceu ainda, tire um tempo para jogar ou rejogar Okami e encare apenas como uma pausa naquele FPS que sua tia disse que ia te deixar violento. Me agradeça depois.

Guitar Hero

“Ah, mas Guitar Hero é tão 2008!” Exatamente por isso você deveria busca-lo na sua estante, passar um álcool naquela guitarra carcomida que eu sei que você guarda debaixo da cama e lembrar de como a vida era mais simples há 6 anos atrás. Porque eu não conheço ninguém que não tenha uma boa lembrança com Guitar Hero. E afinal de contas, o natal não precisa ser nada mais do que isso: boas lembranças.

Não importa qual você escolha, se é o Guitar Hero original, em que você aprendeu tudo que sabe hoje; o Guitar Hero II, que fez você se apaixonar pela série e fez você esperar 5 minutos pacientemente pelos 4 minutos restantes de solo de Free Bird; o Guitar Hero III, que Through The Fire And Flames; Guitar Hero World Tour, que pegou os outros instrumentos de Rockband, mas ninguém realmente gostou muito; Guitar Hero 5, que passou meio despercebido ou o Guitar Hero: Warriors of Rock que MEU DEUS QUANTAS ESTRELAS. Se não foi suficiente, pode ser o do Metallica, do Van Halen, do Aerosmith, o dos anos 80 ou o Smash Hits, com as “melhores” canções dos games anteriores em todos os instrumentos.

Vai lá, eu espero, monte seu equipamento e jogue algumas canções.

Viu que não foi tão ruim? Você ainda consegue terminar as músicas no medium.

Jogo da Vida

Para aqueles momentos em que você é obrigado a confraternizar com sua vó de 88 anos e seu priminho do interior que nunca vem pra capital de 7 anos ao mesmo tempo. Pegue o seu jogo da vida com a roleta quebrada e torne esse momento bem melhor.

É fácil, é rápido, até sua vó entende (só não deixe ela de bancária, ela vai querer passar um cheque pré-datado pro seu salário). Jogo da Vida é aquele típico board game que todo mundo tem, ninguém joga, mas quando precisa, ele está sempre lá para satisfazer suas necessidades. Divirta-se tendo 8 filhos, vendendo gelo de um iceberg, comprando uma dentadura e perdendo uma rodada enquanto “seus tios estão na cidade”.

Apesar de sua má fama no mundo dos jogos de tabuleiro, Jogo da Vida é divertido e despretensioso. Ótimo para jogar depois de se empanturrar de peru.

Batman: Arkham Origins

Seu ano foi ruim? Deu tudo errado e você mal pode esperar para começar de novo? Que melhor maneira de descontar tudo isso do que metendo porrada em dezenas de inimigos ao mesmo tempo?

Batman: Arkham Origins é um jogo surpreendentemente bom. Quando ninguém esperava muito da série, ela volta com um terceiro jogo tão bom quanto seus antecessores e um “mais do mesmo” da maneira mais positiva possível. Além de proporcionar inúmeros desafios espalhados por Gotham City, seu modo carreira é suficientemente completo se você quiser ignorar as side quests.

Agora, o motivo básico dele estar numa lista natalina: ele é ambientado na véspera de natal em Gotham City. É uma espécie de “Batman Saves Christmas”, ou “A Paixão de Wayne”, se preferir.

Agora que já sabe o que jogar, vá encher a pança de panetone, peru, chester e vinho porque, já que é aniversário dele, Jesus tá vendo essa zoeira aí!

Feliz Natal de toda a Equipe Sem Tilt!

Compartilhe!

Bhernardo Viana

Amante do pão de queijo e do cafézim, começou a brincar no meio dos indies e não parou mais. Um grande fã de puzzles e de jogos alternativos, experimentais e malucos. É o Editor-Chefe do Sem Tilt e ex-redator no site e na revista da Indie Game Magazine.

Sem comentários

Comente!